O que é TaKeTiNa?

Aprender ritmo e música sempre significa aprender sobre a vida. Tudo o que dificulta nossa vida se reflete em travas rítmicas, que nosso corpo e nossa mente podem superar usando o ritmo como suporte.Reinhard Flatischler

(Por mais que você tente ler ou ver vídeos, não dá para entender o que é TaKeTiNa antes de realmente entrar em uma roda com seu corpo inteiro. Para os teimosos, no entanto, aqui vai uma tentativa de descrição.)

TaKeTiNa é um método criado nos anos 70 pelo músico austríaco Reinhard Flatischler para usar o ritmo como ferramenta para trabalhar com o corpo e com a mente. É um processo coletivo, meditativo e musical para o desenvolvimento humano.

Integra ritmos arquetípicos presentes em todas as grandes tradições percussivas (cubana, africana, árabe, brasileira, japonesa, coreana, indiana) com as recentes descobertas de pesquisas em neurociência, psicomotricidade, musicoterapia, atenção plena, educação sistêmica e teoria do caos.

Em uma sessão de TaKeTiNa, existem três camadas de ritmo simultâneas (voz, mãos e pés), suportadas por um berimbau e um surdo, que causam um constante equilíbrio entre caos e ordem, estabilização e desestabilização, levando os participantes a repetidamente sair e entrar no ritmo. Os participantes desenvolvem uma profunda orientação rítmica e também qualidades diretamente benéficas para nossa saúde e qualidade de vida: redução de ansiedade, ludicidade, estabilidade da atenção, relaxamento, entre outras.

Reinhard era um virtuoso formado pela Universidade de Música e Artes Performáticas de Viena. Já aos 11 anos fazia concertos de piano. Mas era um jovem muito doente (sofria de asma, entre outros problemas) — hoje ele se descreve como “uma criança nervosa que nunca conseguia parar”. Depois de ouvir um concerto do grande Ustad Alla Rakha, com 15 anos iniciou uma viagem pelo mundo para tentar se curar.

Aprendeu tabla na Índia, passou 3 anos aprendendo buk com Kook So Ho e Lee Ji Young, depois changgo com o grande músico e xamã Kim Seok-Chul (Coreia), com quem teve sua primeira grande transformação. Aprendeu taiko no Japão; conga em Cuba, Nova Iorque e Porto Rico; foi aluno de C. K. Ladzekpo (Gana); morou em Salvador, Rio de Janeiro e Recife no começo da década de 80. Aos poucos percebeu que os grandes mestres do ritmo haviam transformado suas relações, suas vidas, suas mentes apenas pelo contato frequente com ritmos arquetípicos. Nosso potencial musical é inseparável de nosso potencial humano — ativar um é imediatamente ativar o outro.

Com a TaKeTiNa aprendi a acessar um estado de silêncio e presença. Não é só silencioso e não é só ativo; é ambos. Quando você está com alguém, você está relaxado e focado ao mesmo tempo.Reinhard Flatischler

Reinhard desenvolveu a TaKeTiNa por incontáveis experimentos e testes ao oferecer experiências polirrítmicas para pessoas musicalmente leigas, a partir de movimentos simples como pisar, bater palma e falar.

Hoje o método é usado na Europa, no Canadá, na Austrália e nos Estados Unidos em empresas, universidades, escolas de teatro e integrada a tratamentos médicos em hospitais e clínicas terapêuticas.

Falas do criador e cenas de uma roda

Benefícios possíveis pela TaKeTiNa

Na vida cotidiana, a TaKeTiNa pode lhe ajudar a:

  • Relaxar mais profundamente
  • Reduzir ansiedade e necessidade de controle
  • Estabilizar a atenção por longos períodos
  • Ganhar liberdade diante dos pensamentos e jogos emocionais aflitivos
  • Aproveitar (em vez de evitar) o caos
  • Integrar corpo e mente, razão e emoção, atividade e passividade
  • Diminuir o medo de errar
  • Aprofundar a compreensão sobre autoorganização e inteligência coletiva
  • Descobrir outra linguagem para se comunicar e liderar
  • Criar silêncio e mais espaço em nossa mente e em nossas relações

Mais…

Com o tempo vou atualizar essa página. Por enquanto, deixo alguns bons links:

O ritmo toca cordas de profunda ressonância em nossas memórias ancestrais. Sempre que nos conectamos com outros seres humanos pela dança ou pela percussão, surge a memória da humanidade como uma só família.Reinhard Flatischler